segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Southern Submissives – Holly – Dominique Adair


Southern Submissives

Holly

Dominique Adair

Livro 1 da série

 

Holly

Southern Submissives 1

Dominique Adair

Ellora´s Cave

 

Sinopse:

A submissa traída...

Holly viu o lado mais sombrio do estilo de vida escravidão e sua experiência a deixou com cicatrizes, tanto física como emocionalmente. Relutante em ariscar de voltar ao mundo de excesso e sensualidade que a chama, ela é forçada a fazer uma escolha entre enfrentar seus medos e salvar a sua vida, ou de perder seu patrimônio e, possivelmente, a sua alma.

Um mestre em uma missão...

Ethan se apaixonou por Holly a partir do momento em que se encontraram em uma cena de escravidão no Bairro Francês. Perturbado por suas experiências ruins, ele inventa um plano para levar a mulher dos seus sonhos em sua cama na esperança de que finalmente ela irá convidá-lo pra residir em seu coração.

Um fim de semana...

Um negócio de um tiro. Três dias onde Ethan vai usar todas as ferramentas eróticas em seu arsenal considerável para ganhar mais de Holly. Mas o fim de semana é apenas um sabor, uma amostra viciante do que poderia ser, e por um homem que sempre em sua mira, é apenas o começo.

Numa noite depois de uma desastrosa cena numa de festa de escravidão onde Holly não acatou a ordem do mestre em fazer sexo com um estranho,  Greg, o mestre de Holly ultrapassa os limites de um verdadeiro mestre do BDSM e não pára ao ouvir a palavra segura (safeword) de Holly.

A punição que Greg aplicou a Holly foi excessiva, ele ultrapassou todos os limites do SSC ( são, seguro e consensual) que é a tríade que rege o BDSM. Alcoolizado Greg submete Holly a uma sessão de spanking, onde com um chicote ele lhe marca não só as costas, mas a alma.

-Mestre,- ela soluçou.

-Feche a boca, prostituta.

Outra chicotada rasgou a pele dela e ela empurrou como se ele a tocasse com ferro em brasa. Soluçando, ela caiu contra o banco, seus joelhos recusaram-se a sustentar seu peso. Atrás de si ela ouviu o chicote cair no chão e ela estremeceu. Algo molhado escorreu por sua perna.

-Você me levou a fazer isso. A respiração de Greg era áspera e ele agarrou seus quadris. “Você não tem ninguém para culpar além de você mesma.

Ela ouviu o barulho de seu zíper e isso era suficiente a empurrá-la da dor ao delírio. Ela brigou contra o seu título, desesperada para se ver livre e escapar do calabouço.

-Não faça isto, Greg. Eu nunca perdoarei você.- Sua voz era rouca e sua garganta doía enquanto gritava.

A risada dele era oca e seu coração disparou mandando reflexo para o seu estômago.

-Eu não preciso de seu perdão. Você parece continuar esquecendo que é minha escrava e que eu posso fazer com você o que eu quiser.

Seus dedos afundaram em sua carne e ela começou a gritar.

Como podem ler no trechinho que escolhi, que Greg vai além do limite de sua submissa e pratica algo inconcebível a qualquer praticante do BDSM, ele não respeitou o limite e a vontade da sua submissa. Pois é de domínio público que a força da relação D/S, está no submisso, pois ele que estabelece os limites. 

Com o acontecido, Holly fica traumatizada e com um profundo medo de se submeter novamente a um outro Dom e segue com sua vida de proprietária de uma pequena livraria a Book Ends, mas os negócios não vão nada bem e Holly tem a hipoteca comprada por um misterioso estranho.

Holly não quer acreditar que não possui o dinheiro para resgatar a sua hipoteca e começa a ignorar as correspondências da firma que comprou sua dívida, sem ter mais como fugir a nossa Sub vai ao encontro de Nathanial Clarke, o responsável pela negociação.

Ethan Clarke olhava fixamente para televisão do circuito fechado de segurança quando Holly Broussard entrou no escritório exterior. Sua expressão era curiosa e cautelosa até que ela procurou a mesa de sua secretária. Seu cabelo vermelho estava preso na nunca em um coque comportado em seu terninho preto estava impecável e delineava sua figura de ampulheta. Seus saltos eram tão altos que ele não sabia como ela podia caminhar com eles.

Sem dúvida ela era uma das mulheres mais bonitas que já tinha visto. Ele havia sido apresentado a ela em uma cena de escravidão no quarto trimestre do ano passado. Ela estava nos braços de Greg Mains, suas algemas e cintas vermelhas brilhavam nas longas pernas, e tinham cativado Ethan. O momento em que suas mãos a tocaram ele sabia que teria que reivindicá-la para si e iria fazer isso logo.

Pronto com esse trechinho aí deu para sacar que Nathaniel, mais conhecido como Ethan estava na cena de escravidão em que ela se negou a transar com um estranho e o incidente com Greg aconteceu. Ethan voltou ao local várias vezes para reencontrar Holly, mas desde aquele dia ela nunca mais apareceu. Completamente fascinado por Holly, Ethan busca pistas de onde encontrá-la e fica sabendo tudo o que ocorreu naquela noite entre Holly e Greg e sabe que tem uma missão muito difícil pele frente.

Ethan tentará de todas as formas dar a Holly novamente a confiança para se submeter e aí sim poder reivindicá-la para si, nem que para isso a princípio ele tenha que usar de meios não muito louváveis como usar a sua hipoteca como uma forma de chantagem.

Nosso mocinho é completamente apaixonado pela Holly apesar de tê-la visto somente uma vez na vida e ele vai fazer de tudo para ter essa mulher. Ele é lindooo, romântico (quem disse que no mundo bdsm não tem romantismo?) e maravilhoso.

—Nós não temos nenhuma intenção de cobrar e eu também percebo que você possivelmente não poderá pagar a quantia que nós compramos do empréstimo.— Ele deixou seu copo na mesa. —Isto é por que eu estou preparado para fazer uma proposta incomum. Como eu vejo isto, nós temos duas opções na mesa. Você pode concordar em devolver a quantia negociada que Clarke & Filhos pagou a fim de adquirir a hipoteca, mais uma taxa de juros modesta. Uma vez que o empréstimo é pago por completo, a ação será devolvida a você é claro.

O coração do Holly afundou. Não existia nenhum modo dela poder pagar aquela quantia, não do modo que a economia estava indo. Que Katie e Melissa fariam se ela as desapontasse? O que ela faria se ela perdesse o teto de cima de suas cabeças?

Ela precisou limpar sua garganta antes dela poder falar. —E a segunda opção?

—A segunda opção é um pouco mais incomum. Eu estou disposto a anular a quantia inteira do empréstimo, mais que um quarto de um milhão de dólares, em troca de um acordo verbal com você e de três dias de seu tempo.

Ela o olhou cautelosa. Nenhuma companhia estaria disposta a fazer algo grande assim a menos que fosse ilegal… ou imoral. Seu estômago se contraiu e ela teve um pressentimento de que não iria gostar da resposta para a pergunta, mas ela tinha que perguntar de qualquer maneira.

—E o que isso seria?

—O acordo é que você se tornaria minha amante por um fim de semana.

Gente eu adoro chantagistas. kkkkkkkk. Se bem que eu não sou muito normal, enfim sem ter como pagar a dívida Holly é obrigada com muita relutância a aceitar a proposta de Ethan.

Seu sangue ferveu com o pensamento dela vindo para sua cama. Sim, seus métodos foram drásticos e se seu irmão gêmeo tivesse idéia do que ele estava fazendo ele iria ter problemas. Ethan iria ter que pagar do seu dinheiro pessoal esse quarto de milhão, mas isso era insignificante diante de poder reivindicar a mulher que habitava sua imaginação no último ano. Ele teve um sentimento que ela era a mulher certa.

Ethan manda flores lindas no dia marcado para que ela se tornasse sua amante. Na casa de Ethan Holly se encanta com sua residência e mais ainda com a sua biblioteca. Ethan diz a ela que sabe sobre o que aconteceu com Greg, mas Holly não se sente a vontade de falar sobre o ocorrido, mas Ethan insiste e tenta convencê-la a ter naquele final de semana uma relação D/S, mas ela resiste. Então:

—Que tal isto como um incentivo?— Ethan caminhou para sua escrivaninha e levantou uma pasta de papéis bege. —Aqui estão os documentos do empréstimo junto com a escritura da propriedade que você ia colocar como garantia. Eu darei estes documentos a você hoje à noite, sem nenhuma pergunta se você concordar com uma relação de Mestre/ submisso.

Chocada, Holly não podia parar de olhar fixamente para ele por um momento. Ele faria isto? Só a deixaria ir embora sem perguntas? Este homem era totalmente louco?

Ethan é louco sim, louco pela Holly e vai lançar tudo que tiver nas mãos para tê-la como sua submissa, sua mulher. É lindo esse livro bem pequeninho, super rápido de ler, com uma linguagem super fácil, dá para ler sem dificuldades no original em inglês.

Nosso Dom maravilhoso irá proporcionar a Holly uma experiência que ela nunca imaginou e no final das contas, Ethan vai mostrar a ela que não a deseja só por aquele final de semana, mas permanentemente em sua vida.

Lembrando que esse é um Romance Adulto, censura 18 anos. Extremamente proibido para menores de idade, pessoas religiosas e muito pudicas e sem uma personalidade que lhe permita respeitar o fetiche alheio.

Pretendo em breve resenhar Southern Submisives 02 – Katie.

E viva Ellora´s Cave esse e outros títulos se encontram a venda no site da Ellora´s com opção de comprar a livros em versão E-book e a versão publicada. Livros com romance de conteúdo adulto, sem cortes ou suavizações só mesmo lendo nos originais, aproveitam porque os preços dos livros da Ellora´s Cave não são muito altos.

E mais ainda quem quiser pode se deliciar com os Free Books oferecidos pela editora. Para ver os free book clique aqui

Abaixo algumas definições do mundo BDSM, utilizadas nessa resenha e no livro.

BDSM

Sigla que significa:

BD = Bondage e Disciplina

DS = Dominação e submissão

SM = Sadomasoquismo

Baunilha (vanilla)

Diz-se daqueles que não tem ou não usam fetiches em sua relação.  Seriam aquelas pessoas que se intitulariam “normais”. O termo foi criado exatamente para se evitar a utilização de tal definição e também porque “baunilha” é o sabor mais básico de sorvetes (e também o mais insosso *rs)

Também é utilizado para definir coisas: relação baunilha, atitude baunilha, pensamento baunilha, sexo baunilha, etc.

Bondage

Prática e bela arte de amarrar, mais comumente utilizando-se cordas, podendo-se também utilizar panos, tiras elásticas e até fitas adesivas.

Nome também empregado para qualquer forma de prender a escrava, inclusive por algemas ou correntes.

Cena

Uma cena é uma atividade/jogo específico dentro de uma sessão ou relacionamento. P.ex: Uma cena de spanking, uma cena de chuvas, de sexo, de disciplinamento, etc.

Não confundir sessão com cena. A sessão é composta de diversas cenas.

Dominação

Base do BDSM, mais especificamente do D/s, que consiste na imposição, disciplinamento, adestramento e condução das atitudes da escrava, neste caso, a submissa.

Estupro

Prática criminosa que consiste em obrigar outra pessoa ao ato sexual, seja sob coação, violência, força ou mesmo impedindo sua recusa. O estupro só se correlaciona ao BDSM através de sua prática comoteatralização (o Dom “fingiria” ser um bandido estuprador e a escrava sua vítima), pois, uma vez que a base do BDSM é a consensualidade e o estupro é uma prática totalmente coercitiva e não-consensual, o mesmo em nada se correlaciona ao BDSM.

SSC

São, Seguro e Consensual. A importante tríade que separa o aceitável e o condenável no BDSM.

Tudo que possa ser classificado como SSC é aceitável no BDSM, por mais que para alguns (ou nós mesmos) pareça um exagero ou absurdo. Da mesma forma, qualquer coisa que venha a ferir um dos elementos da tríade deve ser execrado e condenado, por mais que possa, a princípio, parecer um insignificante detalhe.

Safeword

Palavra ou gesto pré-estabelecido entre as partes que, uma vez utilizado pela escrava, demonstra que a mesma atingiu seu limite de resistência com a cena.

Spanking

Cenas de espancamento. Nome utilizado dentro da comunidade BDSM para o ato de bater. No Brasil, spanking engloba o ato de bater com as mãos, chicote, vara, chinelo ou palmatória. Nos Estados unidos e Europa, há uma distinção entre o Spanking, Whipping e "Canning". "Whipping" é qualquer atividade que envolva chicotes e Canning, que envolva varas. (bambu, rattan, etc.).

Submissão

Segundo o dicionário Aurélio: obediência, sujeição, subordinação, docilidade, servilidade, humildade e subserviência.

Fonte: Dicionário BDSM

 


8 comentários :

  1. uau. Parece ser puro fogo. =O
    li ppoucos desse estilo, mas o que li gostei muito. ^^
    beijos.

    ResponderExcluir
  2. Lu é bemmmm legal, eu adoro ler coisas do gênero. mas eu acho o Southern Submissives 02 mais hot

    ResponderExcluir
  3. Wooow!
    Meninaaaa, nunca li nada do gênero. Será que eu vou gostar de ler sobre submissão feminina e sadomasoquismo? Não sou preconceituosa, mas...Aiiii! Tenho medo. kkk
    Agora fiquei curiosa até a raiz dos cabelos, preciso ler esse livro!
    Valeu pela dica
    BJs

    ResponderExcluir
  4. uhauhauhauhauha
    to rindo aki Ale!!

    ResponderExcluir
  5. Será que eu leio esse???? Sim hahahah

    Vlw pela dica Ale.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Adoro essa série..!!!

    o Ethan é meu "Dom" de Consumo...

    kkkkkk
    parabéns pela dica Mana!!!

    bj

    ResponderExcluir
  7. Abuso físico e psicológico, trauma, chantagem e redenção. Tudo isso dentro do universo BDSM.

    Esse livro deve ser uó!!!

    ResponderExcluir
  8. Só a titulo de curiosidade eu escrevo essas coisas, gosto de ler sobre, mas não passo de Baunilha.


    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Por isso nem precisa me perguntar se sou Domme, Sub ou Switcher. Eu sou Baunilha.

    rsrsrsrsrsrssr

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...