quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Meu pé de Laranja Lima - José Mauro de Vasconcelos


Meu pé de Laranja Lima

José Mauro de Vasconcelos

 

 clip_image002ISBN 8506042062

Editora: Melhoramentos

Ano de lançamento: 1968

Enredo

Este livro retrata a história de um menino de cinco anos chamado Zezé, que pertencia a uma família muito pobre e muito numerosa. Zezé tinha muitos irmãos, a sua mãe trabalhava numa fábrica, o pai estava desempregado, e como tal passavam por muitas dificuldades, pelo que eram as irmãs mais velhas que tomavam conta dos mais novos; por sua vez, Zezé tomava conta do seu irmãozinho mais novo, Luís.

Zezé era um rapazinho muito interessado pela vida, adorava saber e aprender coisas novas, novas palavras, palavras difíceis que o seu tio lhe ensinava. Contudo, passava a vida a fazer traquinices pela rua, a pregar peças aos outros e muitas vezes acabava por ser castigado e repreendido pelos pais ou pelos irmãos, que passavam a vida a dizer que era um mau menino, sempre a fazer maldades. Todos estes fatores e o fato de não passar muito tempo com a mãe, visto que esta trabalhava muito, faziam com que Zezé, muitas vezes, não encontrasse na família o carinho e a ternura que qualquer criança precisa.

Ao mudarem de casa, Zezé encontra no quintal da sua nova moradia um pequeno pé de laranja lima, inicialmente a idéia de ter uma árvore tão pequena não lhe agrada muito, mas à medida que este vai convivendo com a pequena árvore e ao desabafar com esta, repara que ela fala e que é capaz de conversar consigo, tornando-se assim o seu grande amigo e confidente, aquele que lhe dava todo o carinho que Zezé não recebia em casa da sua família.

 1

 

Hoje eu trouxe esse livro não porque é um lançamento, não porque está na moda, mas eu o trouxe porque foi um livro que mudou a minha vida. Nem só de romances, vivo eu.

Eu li esse livro acho que eu tinha uns 09 anos de idade e estava com catapora. Pois é ,ferias de 1992 e eu com catapora,  então minha mãe me deu esse livrinho para passar o tempo.

Ela me falou que era um livro que ela tinha lido quando ainda estudava e me apresentou um exemplar velhinho de páginas amareladas e eu comecei a ler.

Eu desaguei no choro logo nos primeiros capítulos quando o Zezé e o Luizinho ficam sem presente no Natal e a partir desse dia eu sempre agradeci a Deus por no meu Natal ter o que comer, o que vestir e ter sempre um brinquedo novo mesmo que humilde. Eu ainda na minha inocência infantil me coloquei no lugar do Zezé naquele Natal.

Esse é um livro que eu recomendo aos pais darem aos seus filhos pra lerem, pois em uma linguagem simples e voltada para o público infanto-juvenil, mas mesmo os adultos devem ler.

O livro nos mostra a realidade da violência doméstica também, sentia tanta pena do meu Zezé apanhando do pai e da Jandira. Zezé era muito arteiro, um menino bem ativo, veja Zezé pelas palavras dele mesmo.

Eu sou arteiro, sou levado, muito peralta por isto vivo apanhando da malvada Jandira, aquela solteirona. Lá em casa ninguém gosta de mim só a Godoia, o papai depois que perdeu seu emprego na fábrica vive bêbedo, a mamãe sai de madrugada para trabalhar, coitada, para sustentar a casa. Meu irmão acima de mim o Totó só quer saber de me chutar, tem o Luizinho muito pequeno este eu tenho de cuidar, os outros irmãos nem lembram que eu existo.

Mas tem o lado bom, o lado do companheirismo e amizade entre Zezé e seu irmãozinho Luiz, linda a maneira como ele cuida do irmão, o carinho com a irmã dele a Gloria, que ele chama carinhosamente de Godoia.

É lindo a maneira como se desenvolve a amizade entre o velho Portuga, um velho ranzinza e solitário  com quem nosso pequeno herói descobre a ternura e o carinho do qual ele sempre foi tão carente, a figura do Portuga é tão paternal.

Minguinho, o seu pé de Laranja lima é o seu grande confidente , amigo e companheiro de brincadeira, simplesmente perfeita como a mente infantil de Zezé  criava junto a Minguinho um mundo paralelo. O Minguinho é uma forma do Zezé de buscar aquilo que ele sente falta na sua família. Ele não criou um amigo invisível, mas um amigo planta que falava e brincava com ele.

E é um livro que fala de perda, Zezé tem duas grandes perdas em um espaço de tempo muito pequeno, perde o Portuga e perde o Minguinho, o seu pé de laranja lima.

Hoje 17 anos depois da primeira vez que li Meu pé de laranja lima, a emoção que sinto ainda é a mesma e ainda verto as mesmas lágrimas que chorei  em minha infância ao lê-lo.

Esse não é simplesmente um livro para se distrair, esse é um daqueles livros que mudam vidas. Ele marcou a minha vida, termino aqui esse relato com lágrimas embaçando meus olhos, pois a emoção me toma sempre que me lembro da estória do Zezé.

Quem nunca leu esse livro, leia e veja se o que eu digo não é verdade.

Com certeza você como eu vai querer matar a nojenta da Jandira, vai querer dar umas lições de moral do pai do Zezé, vai querer dar um abraçado da mãe dele e vai quer apertar as bochechas do Luizinho e dar um super abraço na Godoia e vai guardar luto pelo Portuga e pelo Minguinho.

Leia desarmado, com olhos de quem lê com o coração aberto, pronto para conhecer e viver uma história que mexe com os dramas humanos.

Esse livro eu recomendo à todos sem restrições.

1

Sobre o autor:

José Mauro de Vasconcelos

Escritor brasileiro, descendente de portugueses, nascido em 1920, no Rio de Janeiro, e falecido em 1984. Depois de ter tido várias profissões, viajou pelo interior do país, região que inspirou quase toda a sua obra. Um dos seus romances mais famosos, O Meu Pé de Laranja Lima , tornou-se o exemplo vivo da presença do tema da infância na sua escrita. Outros livros conhecidos são Banana Brava (1942), Longe da Terra (1949), Arara Vermelha (1953), Arraia de Fogo (1955), Rosinha, Minha Canoa (1962), O Garanhão das Praias (1964), Rua Descalça (1969), Chuva Crioula (1972) e O Veleiro de Cristal (1973).

 

AlexandrinaBx

XLk8J3xaQk

8 comentários :

  1. Eu nunca li esse livro, só assisti a novela e lembro da parte, em que eles ficam sem presentes, pois a família era muito pobre, a estória é linda.
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Leia o livro Solange é muitooo mais emocionante do que a novela foi.

    ResponderExcluir
  3. Nooossa faz tanto tempo que li esse livro!! Uns 15 anos! (isso denuncia a idade rs)

    Foi o primeiro livro que me emocionei tanto a ponto de chorar.

    ResponderExcluir
  4. Sor e que que li esse livro 18 anos atrás. tb choreiiii muitooo

    ResponderExcluir
  5. Esse livro é DIVINO, um dos meus preferidos. Por causa desse autor, minha mãe deu ao meu irmãos temporão, o nome de José Mauro.
    Vale a pena ler.
    FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja um bom feriado para você.
    Saudações Educacionais !

    ResponderExcluir
  6. Valeu Silvana, bom feriado para vc tb.

    esse livro é um ícone da literatura nacional, é um livro que toda criança, jovem e adulto deveria ler.

    ResponderExcluir
  7. To aqui em prantos pq nao posso nem lembrar desse livro q me debulho em lagrimas...Começei a ler ele no começo do ano e nunca consegui terminar, nao por que achei o livro ruim, muito pelo contrario.O motivo é q simplesmente nao paro de chorar!Recomendo muito esse livro apesar de nao ter terminado ainda, a estoria de Zezé é uma liçao de vida que emociona e nos faz pensar o quão pequeno são os nossos problemas.Cada acontecimento do livro nos faz agradecer as dádivas simples que recebemos e que nao damos importancia, mas que fariam uma grande diferença na vida de pessoas mais humildes.Enfim LEIAM.

    ResponderExcluir
  8. Valery

    compartilho com vc a emoção desse livro, por isso resolvi resenhá-lo. Poruque como disse na resenha eu trouxe ele para o blog não porque fosse um livro badalado, da moda ou lançamento, mas simplesmente porque é um livro que emociona e do qual levamos ensinamentos par toda a vida.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...